Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência de navegação. Ao continuar a navegar no nosso site está a aceitar a sua utilização. OK

#IICSEMPRECONTIGO #57 | OGGI CUCINO IO! #03

Data:

08/06/am


#IICSEMPRECONTIGO #57 | OGGI CUCINO IO! #03

OGGI CUCINO IO!
La cucina italiana a portata di mano

A terceira vídeo receita da viagem gastronómica "OGGI CUCINO IO!" é o Tiramisù, preparado pelo chef FABIO CAMPOLI, exclusivamente para o Instituto Italiano de Cultura de Lisboa.

#03 Para o terceiro episódio de "Oggi cucino io!" a proposta do chef Fabio Campoli é o Tiramisù, uma das sobremesas mais apreciadas que em Itália quer no estrangeiro. O chef fala-nos da história deste doce de colher por excelência, que nasceu nos anos 60, e à volta do qual existem várias hipóteses e lendas. Há quem diga que nasceu em Turim e foi servido ao Conde Cavour para "tirarlo su" (levantar-lhe o moral) na altura da Unificação da Itália. Sobre a sua origem nasceu uma verdadeira disputa entre as regiões Friuli e Veneto. A palavra "tiramisù" é a quinta palavra italiana mais conhecida e está presente nos dicionários de 23 diferentes países, sem precisar de ser traduzida.

Siga o link para a receita do vídeo do Tiramisù: https://www.youtube.com/watch?v=ikd-RPgx_F8

FABIO CAMPOLI

Com mais de trinta anos de experiência em atividades diversas focadas na cultura e no design gastronómico, criou uma maneira "simplesmente diferente" de cozinhar, sempre motivada por uma curiosidade inesgotável e sede de conhecimento. Fundador da empresa Actions Gastronomiche Srl e do jornal Prodigus, Fabio Campoli é atualmente consultor para empresas e restaurantes italianos e estrangeiros, além de ser autor e condutor de programas de televisão e rádio, consultor da indústria cinematográfica e food designer, premiado em ambiente culinário e comunicativo.
Com o seu portfólio de experiências variadas, Fabio Campoli prova ser muito mais do que um chef, graças à amplitude e riqueza de sua cultura no universo dos media, do project management, do mundo editorial, que hoje faz da sua assinatura um sinónimo de classe e qualidade e de uma criatividade direcionada e consciente, que agora se tornou célebre e reconhecível para o público em geral.
As suas próprias paixões levaram-no a se tornar autor de oito publicações e professor de instituições públicas e privadas, assim como as suas habilidades artísticas o levaram a viajar entre os mais famosos cenários de filmes para evocar banquetes históricos e cenários gastronómicos (de "Mission Impossible 3" para "Mangia, prega, ama" e "To Rome with love" de Woody Allen,para citar apenas alguns). A sua filosofia à mesa, no trabalho e na vida resume-se à atenção às "coisas boas", numa lógica em que o essencial é visível aos olhos de quem vive a cozinha não como um fim, mas como um meio de transmitir emoções e transmitir história e cultura.

Defensor da ideia de transcrever o "sabor" da mente, tem no seu ativo alguns livros entre os quais "Alchimia dei sapori" (La volpe e l’uva editore, 2002), "La mia cucina, semplice, rapida e salutare" (Newton-Compton Editore, 2003), "Note di gusto" (Cucina & Vini Editrice, 2009), "Il mattino ha l'oro in bocca" (Autentica Edizioni, 2012), "Elogio del peperoncino" (Autentica Edizioni, 2013), e "Bergamotto.0" (Iiriti Editore, 2014).

Entre os reconhecimentos recebidos: Premio per la cucina etica (2014), Maestro di Cucina ad Honorem (2006), Premio Caterina de’ Medici, per la sezione gastronomia (2014), Premio alla Letteratura Gastronomica Maria Gallaccio (2004), Stella della Ristorazione (2008), Pergamena d’Onore Leone d’Oro per meriti professionali imprenditoriali (2018).

http://www.fabiocampoli.it/

A RECEITA DO TIRAMISÙ de FABIO CAMPOLI

Ingredientes para 8 copinhos:
500 de queijo mascarpone
150 g de açúcar
150 g de gemas de ovo fresquíssimas
150 ml de natas frescas
Para completar
250 ml de café expresso frio
300 g de biscoitos champanhe
Cacau amargo em pó

Preparazione
Bata o mascarpone com o açúcar. Pode usar uma batedeira fixa com taça ou uma de varas. À parte, bata as gemas num pequeno recipiente.
No tiramisu tradicional, os ovos não são pasteurizados, por isso, devem ser fresquíssimos e o doce deverá ser consumido no máximo de 24 horas.
Quando a mistura começar a ficar espumosa, adicione as gemas em fio, continuando a bater. Por último, adicione as natas frescas em fio.
As natas são um truque para deixar o creme ainda mais macio e aveludado ao palato.
Quando a mistura estiver bem arejada e compacta, coloque-a num recipiente e reserve.
Agora, vá buscar taças ou copos, certificando-se de que têm rebordos altos para poder fazer as camadas dos ingredientes.
Corte os biscoitos champanhe a meio e molhe-os no café expresso, primeiro de um lado e depois do outro.
O importante é que o café esteja frio, para que os biscoitos não fiquem demasiado ensopados.
No fundo dos copos espalhe um pouco de creme de mascarpone e a seguir os biscoitos de champanhe embebidos no café, de modo a formar uma camada uniforme.
Revista com uma camada de creme de mascarpone e volte a adicionar uma camada de biscoitos champanhe embebidos em café.
Repita o processo mais uma vez e alise o creme à superfície com a ajuda das costas de uma colher.
Tape o tiramisu com película aderente, para que o creme não absorva maus cheiros no frigorífico.
Deixe repousar no frio pelo menos duas horas.
Polvilhe com o cacau amargo em pó apenas na hora de servir.
Para os amantes de chocolate amargo, aconselho outra variante: Pegue em chocolate amargo muito frio e bata-o com uma parte de cacau amargo.
Obterá um pó de sabor ainda mais intenso e característico para o tiramisù.

Uma sobremesa italiana irresistível que conquistará a gula dos palatos de todas as idades!

Informações

Data: DE Seg. 8 Jun. 2020 a Dom. 14 Jun. 2020

Organizado por : Istituto Italiano di Cultura

Entrada : Livre


1634